18 janeiro, 2017

Paris... avec mes amies!

Decidi comprar uma viagem e ir ter com a A nas minhas férias. Tenho amigas noutras partes da Europa, emigradas, como qualquer pessoa hoje em dia. Mas o que ela não sabia é que eu levava uma surpresa, a D. Apanhamos o avião de madrugada em Lisboa, e passadas 2h55 estávamos na cidade de Paris.

Um frio de rachar e tremer o dente (imagino agora!), mas nunca tínhamos estado lá. Tivemos um almoço de lords com direito a sobremesa e tudo. Depois começamos a nossa tour pela cidade, começando por ir ao Arco do Triunfo e descer os Campos Elísios a pé. Em época de Natal toda a cidade estava repleta de luzes, cores e também mercados de Natal, onde se pode comer e beber (quase) todo o possível e imaginário de vários países. Isto para chegarmos perto do Rio Sena e irmos andar no barco que passa pelos locais mais emblemáticos da cidade junto ao rio. Sou sincera, não tive aquela sensação de cidade romântica como se diz, para mim é uma cidade bonita, com uma arquitetura bastante marcada e diferente. Mas sim, bastantes casais e até (penso eu) um pedido de casamento em frente à Torre Eiffel com um músico a tocar violino (também quero!).

Chegámos então à Torre Eiffel, é bem mais pequena do que imaginava ou parece em fotos. Depois de uma coleção de selfies e fotos com o monumento, fomos para casa, tal era o cansaço, já a pé desde 4h30 da manhã. Tanta gente naquele metro, tantas linhas e tantos sentidos que uma pessoa parece que demora eternidades a chegar de um sitio ao outro. Fiquei com a sensação que era tudo tão perto e tão longe ao mesmo tempo.

No dia seguinte eu e a D estávamos por conta própria. A minha querida amiga confia plenamente no meu sentido de orientação e lá partimos para a aventura de um dia pela cidade de Paris. De mapa na mão, e "kit cenário" completo (luvas, cachecol e gorro) lá fomos. Começamos pela Catedral Sacré-Coeur, belíssima e enorme, e por acaso chegámos à hora da missa. Depois decidimos ir de metro até à Opéra, para ir avenida abaixo até chegar ao Museu do Louvre. Enquanto isso aconteceu, decidimos ser chiques e ir a um café no meio da avenida, onde pagamos couro e cabelo por beber um café, mas pensamento positivo "bebemos um café com aquecedor, e fomos ao wc". Voltamos para casa para jantar em "família" e acabamos por ir aos vizinhos da A. Os típicos emigrantes Tugas na França, que dá para partir o cocô a rir durante uma meia hora, pela maneira de falar, e pela maneira como falam de Portugal, mas umas boas pessoas pois fomos muito bem recebidas.

Visitamos as Galerias Lafayette, onde existem todas as marcas conhecidas, o que mais marcou foram as filas indetermináveis para a Loius Vuitton. Voltamos para casa já depois de andar, para tentar descansar pois íamos jantar ao Fajitas, um restaurante mexicano, que ainda hoje nem sei bem onde fica. Algures perto da Catedral de Notre Dame. Jantámos com vários amigos Portugueses da A, e fomos para o Favela Chic, uma discoteca. Não íamos sair de Paris sem saber como era a típica vida noturna de lá. O problema foi para voltar para casa, nunca vi tanto Taxi, nem tanto UBER em funcionamento ao mesmo tempo (e sem guerras!) pois estavam sempre ocupados. Rua acima, rua abaixo, até que conseguimos um Senhor a meio da estrada que nos levou para casa. Dormimos umas 3 horas e tínhamos um avião para apanhar!

Isto foi Paris, muito mas muito resumidamente, apenas o essencial e fotografias para conhecerem, com belíssimas paisagens (em baixo), é para voltar (de preferência com o Amor já que é uma cidade romântica), é uma optima cidade para divertires-te com as tuas amigas durante uns dias!


PS- A Disneyland ainda não foi desta vez, mas será numa próxima! E obrigada pela estadia!

Beijinhos,
Van